Prêmio Multishow 2021: Qual peça do jogo se perdeu?

Compartilhe:

Aconteceu na última quarta-feira (8/12) o mais famoso e cobiçado prêmio voltado para a música no Brasil, o Prêmio Multishow do grupo Globosat.

Por anos o Prêmio Multishow, em sua grandiosidade em produção, premiou artistas como Ivete Sangalo, Capital Inicial, Jota Quest e por aí vai. Por anos em seu tapete vermelho, passaram artistas consagrados e revelações da música em todos os gêneros, mais esse ano algo estava diferente e o público notou.

Está certo que a música brasileira ao longo dos anos ganhou suas vertentes. Novos gêneros surgiram, ressurgiram, e o mainstream está cada vez mais popular, mas críticas foram feitas.

O que aconteceu com o Prêmio Multishow de 2021? Resultados comerciais, indicações populares? Enfim, em tempos de pandemia, tudo e todos se justificam.

Segundo a coluna do colunista Leo Dias, muita gente apontou que a premiação perdeu a essência. Diferentes pessoas, ligadas aos mais distintos ritmos musicais populares deste país também manifestaram um certo desconforto com o que se viu na premiação. Entre eles, o empresário Wander Oliveira, da Work Show, que cuida da carreira de vários nomes do sertanejo, entre eles Henrique e Juliano, Maiara e Maraisa, Henrique Castro, entre outros.

O Prêmio Multishow se manifestou através de uma nota dizendo:

“O prêmio sempre teve como propósito dar espaço a novos nomes, assim como celebrar os grandes talentos do momento e os ícones da nossa música. Sabemos o desafio que é alcançar a representatividade ideal de todos os gêneros e continuaremos trabalhando no que for necessário para isso, essa é a nossa missão como marca através do entretenimento. Mesmo tendo a limitação de tempo de exibição, na noite de ontem a cerimônia do Prêmio Multishow mostrou ao público performances diversas, levando ao ar apresentações dedicadas ao rap, funk, pop, forró, MPB, sertanejo, rock, samba, entre outros. Seguimos aqui atentos e abertos para dar espaço ao nosso plural e amplo cenário da música brasileira”.

Para nós, do Vitrola Musical, faltou essa essência. Artistas de trap, rock, mpb, não vimos. Em performances durante o evento, vimos funk, BBB, funk, BBB novamente, Ivete e Brown… Claro, para nós, o destaque foi para a performance da artista Duda Beat, essa sim, nos surpreendeu em termos de qualidade musical.

Outro destaque foi para a homenagem a Cássia Eller, seu filho Chico brilhou no palco e para nós, ele deveria estar entre os indicados, assim como Nando Reis que durante esses longos meses de pandemia, não parou suas produções e esteve presente no digital.

Sobre as indicações, entendemos que o comercial falou bem mais alto do que a arte.

O papel do Vitrola Musical não é ficar criticando, mas não teve como deixar passar esse ano. Nosso Brasil tem inúmeros talentos, e nós precisamos abrir espaço para eles.

Vamos aos vencedores:

Dupla do ano: Israel e Rodolfo (Ex BBB)

Performance do ano: Ivete Sangalo

Grupo do ano: Lagum

Hit do ano: Batom de cereja – Israel e Rodolfo

Experimente: Marina Sena

Cantor do ano: Luan Santana

Cantora do ano: Marília Mendonça

Música do ano: Girl from Rio – Anitta

Clipe TVZ: Girl from Rio – Anitta

Superjúri: Crash – Juçara Marçal

Revelação do ano: Marina Sena

Álbum do ano: Delta Estácio Blues – Juçara Marçal

 

 

 

 

 

Compartilhe: